"Histórias de Meus Alunos: Experiências Pessoais Sobre Pilotagem", por Luiz Gustavo e sua Drag Star 650

1 comentário

Queridos alunos. Antes de mais nada, gostaria de mostrar uma frase de Albert Einstein:
“O homem erudito é um descobridor de fatos que já existem – mas o homem sábio é um criador de valores que não existem e que ele faz existir.”
O que quero dizer que em todos meus cursos, eu aprendo com suas experiências e repasso para outras turmas.
Esta nova seção, com o título acima, é para contar suas histórias como piloto. Como o curso o ajudou para melhorar, ou piorar, sua pilotagem. Quais os casos, experiências, que passaram?
Vamos ajudar a todos os amantes da pilotagem segura. Este blog não é somente meu. Este Blog é de todos vocês.
Abraços a todos.
Mande suas experiências no e-mail: amaralmoto@globo.com  colarei” com os devidos méritos.

Esta é a história de Luiz Gustavo, estreando este quadro, com a sua Drag Star 650, Yamaha.
Com a permissão dele vou intitular de INSTINTO X RACIOCÍNIO MEDIANTE A UMA FRENAGEM.
A Drag é danadinha em frenagens mais bruscas, sem uma progressividade no manete. Geralmente no “desespero” utilizamos freios dianteiro e traseiro, mais reza e ABS (Antes de Bater Salte). As vezes utilizamos os pés no chão e “seja o que Deus quiser”.
Achei muito boa esta história. Apreciem e vamos aprender com o Luiz Gustavo. 

Então, a história é a seguinte:
No dia seguinte ao curso, estava voltando pra casa na minha custom dragstar, à noite de depois do trabalho. Estava chovendo. Já perto de casa, estava descendo uma pequena ladeira. No fim dela havia um cruzamento. Tinha um carro aproximadamente uns 10 a 15 metros à minha frente. Fui surpreendido quando ele freou bruscamente já no cruzamento. Parecia que ele ia cruzar, mas optou por parar quando farol ficou laranja. Tive que frear também para não bater atrás dele. Inicialmente usei o freio traseiro. A roda traseira travou. E com a pista molhada, parecia que eu estava andando no sabão (rsrs). A moto começou a sair de lado com a roda traseira. Mas aí deixei de lado o instinto e usei o raciocínio. Soltei o freio traseiro e pisei novamente tentando evitar o travamento. E também usei o freio dianteiro, progressivamente. Foi o que me salvou. Consegui reduzir a velocidade. Não consegui parar, mas deu pra desviar do carro à minha frente. Escapei por pouco, hahaha. Abraço!  
LG
Luiz, muito obrigado. Um grande abraço.




  1. Grande Amaral, muito legal esta sua iniciativa, assim sempre poderemos aprender com os casos reais. Eu também tive um caso logo após realizar o curso e em breve envio para que possa postar.

    Grande abraço,

    Donato Pegasus MC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *