Perigo! Ventos e Deslocamentos de Ar.

11 comentários
Perigo! Ventos e Deslocamentos de Ar.

Muitos me perguntam como podemos evitar um tipo de acidente causado por ventos e deslocamentos de ar, enquanto transitamos com nossas motos principalmente em estradas e rodovias. Em primeiro lugar vamos entender o que são ventos e que são deslocamentos de ar, pois parecem a mesma coisa, mas não são, por isso os cuidados na pilotagem devem ser bem aplicados conforme nossas atitudes diante dessas condições adversas na condução de motos e, assim, poderemos colocar em prática as técnicas da pilotagem segura.

Placas de Transito do Brasil

Observe e obedeça os sinais

VENTOS: é um fenômeno natural, causados pela movimentação de Rotação e Translação da Terra. Portanto, para o piloto não tem como fugir deles. Existem dois tipos de ventos que podem causar perigo ao motociclista:

1-      Ventos Laterais

2-      Ventos frontais

vento_forte_na_arvore-wide

Considere a paisagem ao seu redor como um fator propicio a ventos laterais

Os ventos laterais são os mais perigosos para a condução, pois eles vêm repentinamente, empurrando o motociclista e a moto para as laterais da pista. Os cuidados que deve ter nesse momento é abaixar o corpo, deixando o vento passar por cima do piloto, evitando atingi-lo de lado e, sem dúvida, desacelerar, diminuindo a velocidade. Assim, poderá sair de situações de risco, como ser empurrado para fora da estrada. Existem regiões que os ventos laterais aparecem em forma de rajadas. Esse tipo de adversidade natural é quase impossível evitar um acidente, porém, pilotando preventivamente, observando se o local há sinalizações indicando esse fenômeno, ou mesmo “observando sinais”, como árvores derrubadas ou “deslocadas” em formas laterais, caminhões tombados sem uma aparente causa, não pense duas vezes em baixar a velocidade e pilotar com calma. Rodovias ou estradas muito abertas em suas laterais são muito propícias a isso. Para rajadas de ventos laterais repentinas não há técnica defensiva e sim preventiva.

Os ventos frontais, causados naturalmente e não pela velocidade da moto, são de percepção maior em modelos de motos com suspensões mais altas, como a Trails. Ou seja, não é a moto que “corta” o vento, mas sim o vento que vai ao encontro da moto. Nesse momento o piloto sente a frente da motocicleta mais leve, sem estabilidade. Neste caso, o conselho defensivo é diminuir a velocidade e deixar o corpo mais a frente, “dando peso” à roda frontal diminuindo a leveza causada pelo vento frontal. O conselho preventivo é ajustar a suspensão traseira da moto para uma pré-carga mais dura, dessa forma o pneu frontal ficará mais “colado” ao chão deixando a moto mais estável nessa condição atmosférica.

DESLOCAMENTO DE AR: diferente dos ventos o deslocamento de ar é causado por outros veículos maiores, como caminhões e ônibus, e não pela natureza em si mesma. São quatro os tipos:

100_4011 (2)

Veículos com grande vão entre as rodas podem causar deslocamento de ar negativo

1-      Deslocamento de ar positivo

2-      Deslocamento de ar negativo

3-      Turbulência

4-      Vácuo

Deslocamento de ar positivo: é muito comum isso acontecer ao ultrapassar caminhões e ônibus. Tais veículos “empurram” o ar ao se movimentarem em velocidade, assim esse ar deslocado é retirado da frente desses grandes veículos e jogado para o lado, isto é, ao lado de sua ultrapassagem. Dessa forma, o motociclista e sua moto são jogados positivamente, ou seja, para fora da via. O conselho defensivo é ultrapassar rápido e longe de caminhões e ônibus e o conselho preventivo é ter muita paciência e esperar o momento certo para ultrapassa-los. Esse efeito de deslocamento acontece, também, quando veículos passam em grande velocidade ao contrário de sua via. Dessa forma, ao vê-los chegando desloque-se ao lado direito da via, o mais longe possível deles, assim o efeito do deslocamento será muito amenizado.

Deslocamento de ar negativo: este tipo de condição adversa é o mais grave, pois da mesma explicação dos efeitos do deslocamento de ar positivo, o ar deslocado para as laterais de grandes veículos “abraça” o motociclista que está ultrapassando o qual é sugado para debaixo desses pesados caminhões. Até mesmo a força giroscópica das rodas desses grandes veículos poderá ajudar neste descolamento de ar negativo. Portanto, aproveite o que a moto pode ter, ou seja, o espaço que um carro não tem, e ultrapasse longe e rápido.

100_3986 (2)

Veículos que vêm de frente, deslocamento de ar mito fortes. Fique longe ao passar por eles

Turbulência e Vácuo: sabe aquela frase:” mantenha distância”? Então, por que este lembrete está sempre presente escrito atrás dos caminhões e ônibus? Bem, um ensinamento defensivo explica que deve manter uma distância de seguimento entre 2 a 3 segundos atrás de qualquer veículo independente da velocidade dos mesmos. Se o veículo a manter distância for um carro mais pesado, ou se a via estiver molhada, esta distância deve ser dobrada ou triplicada. Isso vale para a moto, também. Veem-se muitos motociclistas andando grudados por de trás de ônibus, para, por ilusão, se protegerem da chuva ou de ventos frontais. Dependendo da velocidade, a distância de seguimento curta do veículo da frente pode causar muita turbulência, e se aproximar demais, poderá entrar no vácuo, sim, vácuo, ausência de ar que evita atrito atmosférico e aumenta a velocidade da moto. Muitos acidentes fatais são causados por esta falta de atrito do ar. Não precisa o veículo da frente frear forte para que o motociclista “chape” na traseira de ônibus ou outros veículos, pois o vácuo ajuda a empurrar a moto para este tipo de acidente. Assim sendo, mantenha distância.

100_4014 (2)

Quer ultrapassar, mantenha distância, saia do vácuo e da turbulência e ultrapasse com segurança

Quer ultrapassar? A maior lição para o motociclista defensivo é ter PACIÊNCIA, e esta paciência faz com que as atitudes do piloto seja de bom senso e perspicácia. Esperar o melhor momento para uma ultrapassagem fará com seu, e o nosso destino, seja cumprido.

 

 

 

Texto: Carlos Amaral e fotos Geórgia Zuliani e web

Share
  1. Excelente artigo Amaral! Mais um ensinamento que colocarei em prática. Obrigado!

  2. Rafael Piccoli diz:

    Esse é o Amaral!
    Colocando assuntos importantes em discussão e apresentando dicas essenciais.
    Abraço, meu amigo.

  3. REGINALDO MATIAS ALVES diz:

    ficou lindo, é bacana ler um artigo que parace até pessoal.
    continue nesssa força.
    grato.
    reginaldo

  4. Sempre nos acrescentando conhecimento, prof. Amaral! 😀

  5. Suas dicas são sempre o máximo Amaral, eu ando na Dutra todos os dias, e existem trechos que dependendo do dia é bem tensa a guerra contra os ventos laterais.
    Obrigada pelas dicas. Abração.

  6. Caro amigo, eu li uma vez, mas vou ler todos os dias, são muitos ensinamentos para uma “digestão” ideal, para na prática não perder a vida ou ficar inválido em face deste perigo silencioso que nos ronda. Parabéns, e eu já sabia que você iria publicar uma matéria com um conteúdo de quem é mestre e nos brindar com mais este artigo de escol, pois quem apreender estes ensinamentos fará de ora em diante uma pilotagem defensiva sob duas rodas e também sob 4 rodas, pois vale também para carros, com letra maiúscula. Feliz 2014 e que possam vir artigos e ensinamentos em dobro que o você nos presenteou no ano passado. Muita luz, saúde e energia.

  7. Sidney Bezerra diz:

    Muito boas estas dicas e explicado bem certinho.
    Vou gravar estes preciosos ensinamentos.
    Obrigado!

  8. Dario Cesar Capucci diz:

    Neste sábado voltando de Ribeirao Preto para Uberaba, enfrentei uma daquelas ventanias fortes com poeira. Por instinto pratiquei estas orientações e realmente são importantíssimas, e olha que minha moto uma Harley, pesa 326 kg, mas depois de ter conseguido superar as dificuldades fiquei mais confiante em pilotar, depois veio a chuva fina, o asfalto parecia que tinha óleo de tão perigoso, quando a chuva lavou a estrada a pilotagem ficou mais segura e cheguei a minha cidade com segurança. Parabéns ótimas dicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *