Levar Um Tombo É Normal. O Que Não É Normal É Se Arriscar Demais. (uma breve análise da imprudência)

3 comentários

Amigos leitores e queridos alunos. Costumo dizer em minhas aulas e palestras que os acidentes, em sua maioria, podem ser evitados. Principalmente aqueles que estão ao nosso alcance  em não se envolver em acidentes.

Geralmente a definição de IMPRUDÊNCIA é: FAZER AS COISAS ERRADAS CONSCIENTES DO ERRO. Mas, na verdade, a IMPRUDÊNCIA é mais do que esta definição acima.
Podemos definir, então, a IMPRUDÊNCIA de : FAZER AS COISAS ERRADAS  E CERTAS SEM TOMARMOS CUIDADO!.
Vamos dar um exemplo bobo: quem nunca passou em semáforo fechado? As vezes sem querer ( sem atenção); as vezes evitando um possível assalto; ou as vezes na pressa, sem considerar os outros e os possíveis perigos de um cruzamento. Quais desses exemplos acima podemos considerar IMPRUDÊNCIA? É aquele que, mesmo errado ( avançar o semáforo fechado é errado) o fez sem cuidado.

Se considerar a definição acima, podemos até mesmo sermos IMPRUDENTES enquanto estivermos certos! Vejam outros exemplos: imaginem-se, com sua moto, transitando em uma avenida da qual é a sua preferencial; semáforos abertos pra você, pista livre, velocidade dentro da lei. Sua pilotagem está dentro dos limites da lei, ou seja, sua condução está certa. Nada de errado está fazendo. Mas será que não estamos sendo IMPRUDENTES se, mesmo estando certos na lei, com todas as condições de trânsito ao nosso favor, não considerarmos os possíveis erros que os outros podem cometer? As vezes, avançar um semáforo aberto  ( isto é certo)  sem cuidado, é mais perigoso do que avançar um semáforo fechado ( isto é errado) com cuidado.
No Blog do Yussef têm várias dicas de segurança com vídeos referentes aos riscos que precisamos tomar na consciência. Conhecendo estes tipos de riscos,  podem ter certeza, certos ou errados, seremos mais PRUDENTES. 
Vejam o vídeo abaixo. Muito interessante para avaliarmos os riscos de como estamos pilotando nossas deliciosas motos: 
http://www.youtube.com/watch?v=VruWHHEnZGw&feature=player_embedded

Ou,  em meu Orkut: AMARAL INSTRUTOR:

Mick Doohan – No Place to Race (YouTube)

Um grande abraço a todos.
  1. Oi Amaral boa tarde!!!

    Acho muito bom esses textos que vc posta (vou ver o vídeo em casa, aqui no trabalho não abre)

    É interessante de mais essas experiências para ficarmos mais atentos, tenho duas situações recentes para contar, talvez vc já tenha visto alguma parecida… mas vou contar, pode servir como mais um exemplo para seus alunos;

    1º Um colega de trabalho, que também vem de moto, nós conversamos as vezes e tocamos experiências vividas no transito, ele me contou que estava em uma rua, a pista da direita estava muito lenta por conta de uma entrada (ele ia entrar) quando viu um colega de moto que foi para a pista da esquerda logo após a passagem de um carro, mas ele foi logo após mesmo!!!! “em cima”, com isso não deu tempo de fazer nada… o carro tinha uma “carroceria”… como chama??? aquele suporte para cargas com duas rodas e armação em forma de triangulo!!! Pois é…. se arrebentou lá!!!!

    Eu não costumo mudar de faixa logo “em cima” do outro carro, mas com certeza depois dessa não vou começar a fazer!!! Rs

    2º Eu presenciei hoje, ao vir p/o trabalho, na vital Brasil, transito parado, farol fechado… eu tinha acabado de entrar na vital então estava na pista da direita ( tem 4 pistas), passei para o corredor na intenção de “costurar” e chegar no outro corredor, o da esquerda, que além de ser mais largo os motoristas já sabem que mais cedo ou mais tarde vem um motociclista, então eles são mais atentos com as motos… enfim…. o transito parado e farol fechado os carros estavam muito próximos uns dos outros continuei andando de vagar esperando uma “brechinha”, um motociclista no corredor do meio fazia o mesmo, ele viu uma abertura pequena e resolveu passar, mas quem estava na frente era um ônibus e do nada começou a dar ré (o farol ainda estava fechado, mas acho que ele queria mudar de pista e ultrapassar o outro ônibus que estava na frente dele!!!)

    Intão… o ônibus deu uma ré exatamente no momento que o cara tava passando pela abertura e foi espremendo o cara com moto e tudo contra o capo do carro que estava atrás, todo mundo começou a buzinar e ele parou!!! Foi por pouco!!! Ele saiu de lá, parou no farol, meio que na calçada eu perguntei se ele estava bem, ele estava bem… não tinha machucado mas estava dolorido “levou um apertão”.

    Pois é…. aprendi mais uma hoje!!! muito cuidado ao passar entre os carros, mesmo com o transito parado, e principalmente se o carro da frente for um ônibus ou um caminhão… ele está parado mas pode se mexer a qualquer segundo rs.

    Um bjo

  2. Amigos. O testo acima é da aluna Liliane. Eu só copiei de meu e-mail para esta postagem.

  3. Para evitar assalto eu acho melhor procurar evitar ficar parado no sinal fechado, mas não passando — antes ser assaltado do que vir uma SUV correndo no verde, me pegar de lado, me matando ou me deixando paralítico.

    Em vez disso, se vejo que o sinal está fechado ou vai fechar antes de eu poder passar, reduzo até o mínimo da via (ou o quanto parecer suficiente), “faço cera” até chegar ao sinal, para ver se abre antes de eu chegar lá, ou no mínimo, fico o menor tempo parado lá.

    Na verdade acho que deve até talvez ser bom fazer isso de modo geral, apenas para parar menos, a moto tem que dar menos arrancadas, fica mais tempo em marchas mais altas ao menos do que a primeira. Não só deve talvez proporcionar alguma economia, como você não tem que pensar em fazer isso para evitar assalto, vira prática normal. Só não dá para fazer se tiver um tráfego meio denso, aí vai levar businada na orelha se a redução for exagerada, mas de moto deve até dar para ficar ignorar isso e ir mais devagar pelo “corredor”, deixando os apressados a esperar no sinal passarem na frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *