Garupa: Vida Dificil Mas Prazerosa

0 comentário

Olá, meus amigos e queridos alunos. Falar do comportamento do garupa, para mim, é muito difícil, pois eu NÃO ANDO EM GARUPA “NEM QUE A VACA TUSSA!”
Por isso, eu pedi para uma garupa profissional escrever este artigo. Mas, antes de mostrar este artigo, observem a foto acima e abaixo: a moto deitada, piloto posicionado e garupa na mesma posição a do piloto (esta garupa é a aluna Jussara, com sua XT 660. Corajosa!) Muito obrigado, Jussara, por ceder estas fotos.
O mais importante para o garupa é se comportar da maneira do piloto. Nunca pilotar por ele. As vezes o garupa se projeta antes de uma curva: piloto de um lado garupa de outro. 
Em uma curva, fique o mais próximo do piloto. Se o piloto deita a moto mas seu corpo continua reto, sinta-se como uma extensão do corpo do piloto, fique, então, com o corpo reto também. Mas não podemos nos esquecer que todo piloto deve orientar o garupa antes de sair com a moto. Avise o garupa das monobras, das curvas, dos perigos a frente, etc. Deixe o garupa avisado de suas intenções. A responsabilidade de levar uma vida nas “costas” é muito grande.
A garupa profissional descreve, de uma forma poética, o que é ser esta pessoa corajosa e que confia no piloto a sua vida. As sensações e os prazeres são descritas abaixo. Leiam o artigo de Géorgia ( por sinal, é minha esposa, esta é outra corajosa):

“Vida de Garupa é Complicada!!!
      Vocês acham que a vida de uma garupa é fácil? Pois não é.
Para quem acha que a vida de uma garupa é como sentar num banco traseiro de um carro, ou até mesmo no conforto de uma Electra Glide (Harley Davidson), curtindo um som, de óculos escuros e de mira na paisagem, esquece, o cotidiano nas diversas motos é bem diferente.
       A minha experiência como garupa agrega a variados modelos de motos e estilos de estradas (ruas, avenidas, rodovias, áreas urbanas, com terra/areia, etc.). Nada como uma Rodovia lisinha e sem buracos, mas, “êpa”, na frente um carro com uma bagagem no teto que é o dobro do tamanho do veículo, o piloto da moto ultrapassa e ao ver que vai esbarrar a cabeça dá uma entortada no pescoço. E você garupa? Não presta atenção por onde está andando e vai ver onde fica a sua cabeça. Uma garupa aprecia tudo o que o piloto não pode ver, mas a distração poderá ser fatal. O seu corpo terá que ser uma extensão do corpo do piloto, não é mesmo? Ele inclina, e você vai junto, vira, e você vai junto, de repente freia e você vai junto. Será? Se estiver atento sim, caso contrário o piloto fica e você vai. Não é só o seu corpo que tem que ser uma extensão do corpo do piloto, mas o seu raciocínio também. Você terá que aprender a prever as atitudes do seu companheiro de estrada, e pensar como ele em toda e qualquer situação.
      Acha que é fácil? Então vamos lá!
      Vamos viajar e passar uma semana fora, quem leva a mochila? A garupa é claro!
Quer conforto? Esqueça o conforto, agora terá que pensar na segurança. Vão doer às costas, o bumbum, as pernas e quando não agüentar mais só tem um jeito, peça pra parar. Ah! Na hora da viajem a garupa também serve como um GPS, caso não tenha um será ela quem ira ler o mapa, as referências e o nome das ruas. Vamos registrar essa viajem, afinal é merecida, mas e as fotos quem tira? Adivinharam! Eu, ou seja, a garupa. Radares móveis à frente, sabem quem vê primeiro? Exatamente! Adivinharam novamente. Ou seja, a garupa é um perfeito GPS, a qual indica as ruas, manda virar e ainda apita quando vê um radar (RADAR! RADAR!…).

       As aflições são variadas como carros entrando sem pisca, buracos, retrovisores de ônibus e caminhões, linhas de pipas, entre outras. Às vezes penso que jamais morrerei num acidente de moto, pois o ataque cardíaco virá primeiro. Brincadeirinha!!! Com todas essas dificuldades eu acho o máximo ser garupa, afinal pilotar uma moto é muito bom, mas e o resto? O piloto jamais irá visualizar todas as paisagens e acontecimentos como a garupa. Cada momento é uma sensação e oportunidade única.

       Ser garupa significa enfrentar dificuldades, dores, cansaço e os limites, e no final ganhar o prazer e a melhor sensação de todas que é a conquista de alguns dos melhores momentos da sua vida.”

Assinado: Geórgia a garupa da sua moto e da sua vida, Carlos.

Amo você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *