Contra -Esterço, Efeito Giroscópico, Domínio Nas Curvas.

2 comentários
Contra -Esterço, Efeito Giroscópico, Domínio Nas Curvas.

Segure no eixo da roda. Gire a roda com força.Tente inclinar.              
Queridos alunos e amigos leitores.
 
Já explicamos em artigos anteriores algumas características humanas e mecânicas (ciclística da moto) que facilitam, ou dificultam, a realizar curvas com a moto. No artigo Afinal, Qual É O Limite? Até Quanto Você Pode Inclinar Sua Moto Nas Curvas?  conhecemos os limites de inclinação que cada modelo de moto pode proporcionar. Mas, ainda assim, a moto insiste em ficar de pé, andar em linha reta e dificultar a inclinação. Por que isso acontece? É por causa do EFEITO GIROSCÓPIO das rodas(veja post neste blog sobre a influência do efeito giroscópico das rodas) . Isto é, quanto maior a velocidade de giro (rodagem) e também maior o tamanho das rodas, maior será a dificuldade de inclinar. A moto insiste em ficar em linha reta. Quando se realiza uma manobra em baixa velocidade, com os pés no chão, como em sair de sua garagem, por exemplo, a influência giroscópica das rodas não é percebida. Mas ao atingir velocidades maiores já se torna perceptível uma tendência da moto não inclinar quando precisa. O que fazer? Muitos pilotos dizem que precisa “jogar o corpo”, ou mesmo fazer força com as pernas nas pedaleiras para forçar a moto inclinar. Tente fazer isso sem virar (esterçar) o guidão. A moto não inclina! A moto não fará a curva! Então, para neutralizar esse Efeito Giroscópio que mesmo fazendo toda força do corpo para inclinar e a moto não inclina, vamos esterçar virar, mexer para a direita ou esquerda o guidão para que sua moto faça a curva. Simples, não é? Nem tanto.

Quando a manobra com a moto é feita em velocidades pequenas, onde a exigência da curva é feita com a moto quase parada, esterçar o guidão para a direita a trajetória da curva é feita para a direita; quando para a esquerda, a moto vai para a esquerda. É óbvio! Mas… Vamos aumentar a velocidade. Tente, agora, virar o guidão para a esquerda. A moto vai para o lado contrário ao esterço do guidão. Agora tente virar o guidão para a direita. A moto inclina para a esquerda.  Esse efeito é chamado de CONTRA-ESTERÇO. Tenho certeza que você já faz isso e não percebe, pois é natural à ciclística da moto. Mas não é natural para os instintos humanos. É preciso treinar para reconhecer essa manobra no mínimo curiosa.  Mas para começar a treinar vamos dividir a explicação do CONTRA-ESTERÇO em duas formas:

Roda dianteira no mesmo sentido da curva. Contra-esterço natural.
 
 
1-  Da forma natural: quando em curvas de médias e altas velocidades a moto “pede” para o piloto contra esterçar.  O condutor consegue sentir o guidão virar para o lado contrário da curva de uma forma natural;

2- Da forma forçada: quando o piloto contra esterça dando força no guidão, com o propósito de inclinar e desviar rápido de obstáculos, como sair de buracos ou mesmo, em altas velocidades, inclinar para manter a trajetória da curva. Faça você mesmo. Pilote sua moto a 30 ou 40 km/h em linha reta. Empurre o guidão para o lado  direito, a moto vai para o lado esquerdo. Agora puxe o guidão para o lado esquerdo, ela vai para a direita. Mas CUIDADO em altas velocidades! Nesta forma forçada a moto inclina com muita rapidez. Sendo assim, conheça bem os limites de inclinação que sua moto possui para que não ultrapasse o limite de segurança dos pneus (borda de ataque, limite da borracha na lateral do pneu).

Contra-esterço forçado. Controle em derrapagens.

O Efeito Giroscópio será, então, neutralizado com o movimento de esterçar, ou melhor, contra esterçar o guidão nas curvas. Mas não se apegue que a moto só está contra esterçando se a roda frontal estiver virada para o lado oposto da inclinação. Em certas situações a roda está na mesma direção da inclinação da curva, de uma Forma Natural, como em desvios onde não há a necessidade de muita inclinação.  Em outras situações, como em competições de moto velocidade ou motard, já é bem visível a Forma Forçada do contra-esterço. Consegue-se ver a roda virada para o lado contrário da curva. 

De fato, chegamos à conclusão que, esterçando ou contra esterçando o guidão, moto foi feita para fazer curvas. 
Amigos, é muito bom compartilhar experiências. Cora Coralina já dizia: ” Feliz aquele que compartilha o que sabe e aprende com o que ensina”. 
Abraços a todos.
 
 
Share
  1. Parabens meu amigo Amaral. Seus artigos são verdadeiras jóias para o motociclismo. Sua simplicidade e autoridade no assunto fazem as coisas parecem extremamente fáceis.

    Grande Abraço.

    Yansen

  2. Paschoal PJr. diz:

    Caro amigo, que aula para variar, pois estava na expectativa da continuação do enigmático e tentador assunto – CURVAS. Você consegue tornar fácil de entender o que é muito dificil e nunca ensinado, desde a primeira vez que subimos na motocicleta, que é a habilidade de fazer CURVA, ponto crucial ou calcanhar de Aquiles da arte de pilotagem, onde acontecem as “merdas”, com o perdão da palavra. E que sirvam de estímulo para os que ainda não tiveram a orientação necessária, não se iludirem de que pela “experiência” aprenderão esta técnica sozinho ou digamos auto-didata. Na verdade,a prática tem nos mostrado o contrário e que após algumas quedas, chegamos à conclusão (alguns) de que o unico caminho inteligente será o de participar cursos, onde recebemos dicas e orientações de profissionais competentes e de verdade como você Parabéns, nós da galera mais uma vez nos saciamos e fazemos um brinde para você, para que tenha mais luz e energia nesta sua missão “apostolica”.
    Paschoal. SJRPreto, 31/05/12.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Curso Prático. Cronograma e Etapas, como é feito e qual a metodologia do Amaral Instrutor? | Amaral Instrutor - […] toda esta metodologia só motiva o piloto a mexer o guidão. MEXER, EMPURRAR, ESTERÇAR ou VIRAR o guidom é…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *