Daniel Martinez nos ensina como se saiu de uma fechada com sua Mirage 650

0 comentário
Daniel Martinez nos ensina como se saiu de uma fechada com sua Mirage 650

Daniel, um grande amigo e ex-aluno, conta-nos sua história de como conseguiu sair de uma fechada usando dosagem de freios frontal e traseiro além de jogo de corpo e contra-esterço. Parabéns, Daniel, sei que muitos leitores e amantes da vida apreciarão sua experiência. Abraços.

“Conheci o Amaral no início de 2012 quanto comprei minha primeira moto uma Kasinski Mirage 650 vinho(80cv) e realizei o curso com ele.Por mais que soubesse “andar” vi que precisa aprender mais. O aprendizado do curso, frenagem, curva, contra esterço, valsa e o forró foi muito útil para que eu pudesse sair de uma situação de risco. Tudo aconteceu na Avenida Dom Pedro em Santo André /São Paulo num final de tarde quando sai de um Farol junto com um F800GS, ambas acelerando pela faixa da esquerda eu a frente e a BMW mais a trás apenas alguns metros,depois de uns 200 metros simplesmente um guincho da PORTO SEGURO(transporte moto) simplesmente mudou de faixa sem seta sem olhar para o retrovisor, como eu estava de olho no retrovisor dele, ao perceber a mudança repentina não pensei duas vezes pressionei o freio da frente mantendo a moto reta, pressionei um pouco o freio traseiro e ao perceber que eu iria bater soltei o freio “deitei a moto no chão” saindo da colisão para o canteiro central da pista.Nesse momento, tive que fazer o contra esterço para conseguir levantar a moto jogando meu corpo para frente tendenciando para o lado esquerdo , oposto para onde ela estava saindo de traseira e consegui voltar a moto e nesse momento apoiei o cotovelo na rampa do guincho onde rasgou a minha jaqueta pegando a proteção e com esse apoio voltei o equilíbrio e continuei, enquanto isso a F800 GS havia saído da colisão pelo lado esquerdo.
Enfim, tudo isso aconteceu em uma fração de segundos e sempre digo isso para o Amaral quando falamos a respeito, em nenhum momento achei que iria bater ou cair.O rasgo e a marca continuam na jaqueta (antiga) e fato fica na memória. Hoje tenho uma versys 650, passeio por uma reciclagem com o Amaral e conheço os limites da moto em relação a não ter um ABS, por ser uma Bicilíndrica. Enfim. boa sorte a todos.Abraços.”

Observações de Daniel Martinez:
“Amaral.

A ideia desse texto e colocar um pouco da minha humilde observação no transito de São Paulo principalmente nos horários de maior movimento.
Hoje não existe mais essa questão de que apenas na sexta-feira o transito é complicado na verdade ele é complicado a qualquer dia da semana.
Tenho observado que muitos motociclistas não são percebidos pelos motoristas dos carros, caminhões entre outros veículos mas por culpa do próprio motociclista, estranho não?
Quero colocar aqui que independe da motocicleta pequena , média ou grande não temos como falar com esses motoristas sobre um moto sem utilizar a buzina e/ou farol.
Diante disso vejo que temos dois pontos a discutir : Em relação ao farol vejo que muitas motos principalmente as de baixa cilindrada utilizam um lampada amarela que infelizmente não se faz notar, para se ter ideia na versys 650 a primeiro coisa que fiz vou trocar todas por lampadas super brancas. Por outro lado vejo que só isso não é necessário o motociclista precisa utiliza-la de forma adequada para alertar o veículo da frente de que você está chegando.As fotos que coloquei no anexo mostra como eu utilizo isso meu dia a dia para evitar situação de risco.
Em contrapartida isso pode não ser suficiente, ai entra a questão da utilização da buzina onde para muitos motoristas estressados isso pode até incomodar mas na nossa segurança física está acima disso, logo, ela é mais um meio de comunicação eu sou um que utilizo muito esse meio em conjunto do farol para fazer com que eu seja notado.
Ha 15 dias presenciei uma acidente de uma motociclista de uma BMW F650GS do modelo antigo na avenida dos Bandeirantes em São Paulo a noite, onde ao observar o retrovisor percebi que o motociclista não se fez enxergar para os motoristas a sua frente e ao passar por mim alem disso ele estava numa posição sobre a motocicleta inadequada no meu ponto de vista onde, se fosse necessário realizar uma valsa ou forró numa emergência ele não conseguiria fazer.Enfim… depois de 3 minutos ele se envolveu num acidente próximo da entrada da Rodovia do Imigrantes, não deu saber exatamente o que aconteceu, mas, ao passar ao lado ele estava sendo ajudado pelos motoristas e percebi que ele estava bem, continuando meu trajeto com o carro depois de 5 minutos ele passa por mim no túnel na mesma situação…todo cuidado é pouco no transito pois, todos estão apreensivos e com medo , logo as situações inesperadas de mudança de comportamento do motorista são imprevisíveis.
Espero que esse texto ajude na reflexão dos seus leitores sobre o fato de serem notados.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *